Entre o fim de um desafio e o começo de outro, existe saudades das pessoas do primeiro.

Rita é o seu nome. Tem por volta de 50 anos, nasceu em São João do Oriente e fez sua vida em Ipatinga. Se aposentou na Polícia Militar e hoje faz o que mais ama: vender doces. O dinheiro que ganha, doa tudo para a caridade. É uma mulher que venceu por via da educação, e hoje repousa na ancestralidade que conquistou.

Nosso primeiro contato foi na Prefeitura, quando ouvi minha amiga dizendo “Depois eu te pago”, e brinquei “Alice, como assim você está comprando doce fiado?”. Desde então, sempre conversamos, nos dois dias da semana que ela passa no segundo andar oferecendo seus brigadeiros, beijinhos e palhas italianas.

Ela não é qualquer uma. A sabedoria adquirida pela luta torna o ser notório. Mas hoje, o apogeu do seu jeito subjetivo e certeiro de falar me fez lacrimejar os olhos no meu último dia de trabalho naquele lugar.

“Eu sei quem você é. A sua postura com visão inclinada rumo ao alto pode intimidar muita gente e fazer você parecer metido, mas você só tem foco. Desde quando você brincou com a Alice aquele dia, vi que você é diferente. Você é seletivo e escolhe as pessoas que podem te acrescentar, e as que tendem a prejudicar, abandona sem dar tchau. Isso aqui é realmente pouco para você. Você vai construir uma carreira, o que não te falta é potencial. As pessoas podem te falar vários ‘nãos’, mas não deixem elas fazerem você pensar que é incapaz. Eu fico feliz em ter te conhecido. Você com certeza vai lembrar da mulher do doce que te falou isso. Você vai longe. ”

Eu sou de origem pobre, rural, de uma cidade de dez mil habitantes. Tudo que consegui, foi com muito esforço. Eu realmente ouvi tantos ‘nãos’ que eu estava quase me acostumando. Nunca pensei que estaria aqui hoje (e esse não é nem metade do que eu quero), que estaria quase me formando na faculdade, que eu trabalharia com o que eu gosto, que eu conheceria tanta gente legal e que toda essa gente também gostaria de mim. Eu vim do nada e saí por aí conquistando tudo (com muita força).

Acima de tudo, me sinto privilegiado por tantas pessoas maravilhosas fazerem parte da minha vida, e me permitir fazer parte da vida delas também. Sempre serei grato a todos que me deram uma oportunidade, que acreditaram em mim. Em especial à Keiliane, Alice, Allba e Wanderson. Foram seis meses maravilhosos. Sinto que estou no caminho certo quando penso que em todos os lugares que passo eu faço amigos. Não me despedi de ninguém, apenas dei um até logo. Quando gostamos das pessoas, sempre voltamos para visitá-las.

Sigo a vida. Na segunda-feira começo um novo desafio e tenho certeza que dará tudo certo. O que não vai faltar é luta.

Curta a página do ‘Acerbo aos Domingos’ no Facebook.

Anúncios
Posted by:Hernandes Matias Junior

Eu acordo cedo nos feriados. O vício da rotina não me permite acordar depois das nove, ao mesmo tempo que a TV me bombardeia sem tréguas com a programação da manhã e me causa sonolência, mas não tédio. Tédio é sentimento de pessoas que não têm inspiração, e isso é o que não me falta.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s