Logo que nos conhecemos, nos identificamos. Você é de gêmeos e eu, sagitário. Nós combinamos na astrologia e eu era capaz de apostar que também daríamos certo no tarô e búzios se jogássemos cartas e conchas.

Você disse que nunca ninguém tinha te abraçado como eu te abracei. Eu, tolo, acreditei. Seu gosto cultural me inspirava. Comecei a ouvir Marcelo Jeneci exclusivamente por sua causa. Me sentia bem quando nos encontrávamos e na despedida já estava ansioso pela próxima vez.

Nosso beijo encaixava como um lego encaixa no outro. O sentimento não cabia em mensagens de WhatsApp e recorríamos até ao uso repreensivo da ligação. Mesmo sem um “eu te amo”, era claro o que se passava – pelo menos para mim.

Eu cheguei a te amar. Só você. Há muito tempo eu não sentia algo do tipo. Você também parecia me amar. Mas não só a mim. Ainda estavam na sua lembrança os seus ex-namorados, seus ex-ficantes e todos os novos crushs que você arrumava a cada dia.

Você também amava o Rafael.

O Pedro.

O Henrique.

O Thomas.

O Lucas.

Te amar foi como mergulhar numa piscina rasa. Você é um sociopata romântico, um apaixonado sistemático sem escrúpulos. Talvez tenha um coração enorme, ou seja simplesmente infeliz. Eu também preferiria morrer de amor a morrer de tédio.

E se o seu amor é uma poça d’água na calçada após a chuva, o meu é uma lagoa negra e profunda. Eu vivo pelo amor e não brinco com coisa séria. Quando eu amo, eu amo pra caramba. E é real.

Hoje eu acordei e, de frente às atrocidades do café da manhã, lembrei que amanhã é seu aniversário. Fui assaltado por um sentimento que ainda não tem nome. Estou cansado de pseudo-relacionamentos mal acabados, sem um ponto final e substituídos pela ausência espontânea.

Você gosta de quem escreve e eu escrevo muito bem. Desculpa, mas você não sabe o que é amar. Você não sabe sequer o que é gostar. A fila indiana dos seus amores anda mais rápido que a fila do supermercado com sete caixas atendendo.

Estou fora da sua mira. Sua espingarda atira, mata e logo em seguida procura outra presa. Fico nos arbustos da vida enquanto você, insaciável, vai à caça de mais um para “amar”.

Curta a página do ‘Acerbo aos Domingos’ no Facebook.

Anúncios
Posted by:Hernandes Matias Junior

Eu acordo cedo nos feriados. O vício da rotina não me permite acordar depois das nove, ao mesmo tempo que a TV me bombardeia sem tréguas com a programação da manhã e me causa sonolência, mas não tédio. Tédio é sentimento de pessoas que não têm inspiração, e isso é o que não me falta.

5 replies on “Desculpa, mas você não ama

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s