Podemos afirmar uma coisa sem grandes investigações e constatações: o álcool está superestimado na nossa sociedade atual.

Simplesmente perderam a mão e hyparam uma coisa que não deveria ter tanto assédio assim. Meninos e meninas de 14, 15, 16 anos já estão bebendo pra cair mesmo, pra se jogar na calçada e vomitar. Pais estão dando álcool “misturado com água” para seus filhos para que “se acostumem”. Pessoas postam nas redes sociais que estão bêbadas como se isso fosse a coisa mais legal do mundo. Eu até pergunto: será que é possível beber sem ter que divulgar isso tudo e espalhando essa moda?

Uma coisa que poucos sabem e a mídia divulga pouco, é que a bebida alcoólica faz mais mal que a maconha e mata mais que o crack. Sim, álcool mata. Existe uma lei no Brasil que “proíbe” a venda de bebidas para menores de 18 anos. Uma lei que não impede nenhum menor de cometer tal ato. “Proíbe” entre aspas porque proibido são as drogas que dão cadeia. A bebida não só é pior, como é liberada e vende em qualquer esquina. Aposto que em um raio de no máximo 300 metros da sua casa tem um estabelecimento vendendo.

Eu fico pensando se as pessoas gostam mesmo de ingerir álcool ou se elas fazem isso para socializar, para ser incluso, fazer parte da massa. As pessoas quando se sentem fazendo parte de alguma coisa elas ficam mais fortes, com maior autoestima. Eu não bebo, o gosto não agrada meu paladar. Eu não gosto, mas as pessoas bebem e vão continuar bebendo.

É preciso a presença dos pais na vida dos filhos. O que acontece no Brasil atual é o anti-bom-mocismo. Quem não bebe é mal visto na sociedade, é excluído, e é preciso ter muita atitude e valores para dizer que não bebe quando se está em um bar rodeado de amigos que amam ficar bêbados.

Já na pré adolescência, é preciso desenvolver valores. Quando se fala em por limites, os pais já pensam em dizer “não”. Mas não é só isso: é preciso justificar, dar exemplos, explicar o porquê daquilo não ser bom para ele.

Não levando para o lado do machismo, toda mulher tem o direito de ficar bêbada a hora que quiser, onde quiser se for permitido, mas é perigoso. Na maioria das vezes ficar bêbado é uma escolha. Quando bêbadas, mulheres ficam muito mais vulneráveis e quando bêbados os homens ficam muito mais corajosos. Ou seja, a bebida contribui para os casos de estupro.

As pessoas bebem e a tendência é sim piorar, então se vão beber, que bebam de forma responsável. É como já disse, é preciso ter muita personalidade e atitude para negar uma cerveja numa sociedade quase alcoólatra.

Curta a página do ‘Acerbo aos Domingos’ no Facebook.

Anúncios
Posted by:HERNANDES

Eu sou um protesto contra a insensibilidade.

2 replies on “O álcool superestimado

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s